Você pode ter começado o seu negócio sozinho, mas chegou a hora de formar um time capaz de lutar na linha de frente com você. Descubra como.

A característica que melhor define um empreendedor é sua energia de execução, sua paixão por colocar a mão na massa. Lembra daquela piada na qual as pessoas no céu, antes de nascer, passam por diversas estações para se abastecer de qualidades? É certo que a maior parte dos empreendedores entram mais de uma vez nas filas da ousadia, da ação e da intuição.

Essa força centralizadora, direcionada para a execução, é inerente ao processo de empreender e necessária para que um novo negócio vingue. Como cavaleiros medievais, com a lança afiada (uma ideia, o desejo de vencer, um modelo de negócios) e geralmente, sem escudo de proteção (planejamento, cenários e planos de reação), avançamos em busca de clientes enquanto lutamos contra a burocracia, os concorrentes, os custos de infraestrutura, as crises.

É essencial que, nos primeiros minutos de jogo (ou até nos primeiros anos), o empreendedor esteja dedicado e atento ao seu negócio 24 x 7, sem pausa. A expressão “o olhar do dono é que engorda o gado” tem razão de ser.

O problema é que essa força centralizadora normalmente segue na potência máxima em outras fases do negócio, mesmo quando seu efeito não é assim mais tão positivo.

Se você optar por ter um pequeno negócio e quiser mantê-lo pequeno, é provável que sobreviva com as operações concentradas em você. Este modelo limita o crescimento, pode afetar sua saúde e harmonia familiar, reduz seu descanso e eventualmente, desestimula os funcionários interessados em evoluir. Mas tem gente que é feliz dessa maneira. Depende da visão de mundo de cada um.

Por outro lado, se o talento empreendedor mira maiores impactos, seu crescimento poderá exigir novas filiais, força de vendas e atendimento mais amplas, centros de distribuição estratégicos, atividades de exportação, mais fábricas e postos de assistência, e consequentemente, mais pessoas.

NESSE CASO, POSSO GARANTIR QUE O EXCESSO DE PERSONALISMO E CONCENTRAÇÃO DE PODERES NA MÃO DO EMPREENDEDOR AO ESTILO DE DITADURAS TIRÂNICAS É EXTREMAMENTE NOCIVO E, MUITAS VEZES, ATUARÁ COMO TOXINA PARA A ORGANIZAÇÃO AO LONGO DO TEMPO.

Adaptando o ditado atribuído ao alquimista Paracelso, dependendo da dose, a vitamina que fortalece a empresa se transforma em veneno. Conheço muitos empreendedores geniais que construíram maravilhosas organizações com legado impressionante. Sua onipresença é essencial para erguer os alicerces das primeiras décadas. Infelizmente, não costumam adaptar sua visão com novas realidades, se mantêm embriagados pela vaidade do líder infalível, recusam questionamentos e propostas que não saiam de suas próprias cabeças, sabotam o surgimento de qualquer liderança engajada em renovação e mudanças positivas. Este filme trágico é exibido diariamente nas salas de empresas, partidos políticos, federações esportivas, hospitais filantrópicos, condenando as organizações ao atraso.

Numa época de revalorização dos super-heróis, com astros da Marvel e DC Comics brilhando nas telas, somos confrontados pela crueza da realidade.

NO MUNDO DE VERDADE, NÃO HÁ SALVADOR DA PÁTRIA. NENHUM PRESIDENTE DA REPÚBLICA, CEO, PAPA, ALCAIDE OU SECRETÁRIO-GERAL DE COISA ALGUMA FAZ MILAGRE.

Claro que todo empreendedor tem o papel-chave de apontar caminhos, tomar decisões, acompanhar progressos, cobrar performances. E deverá desempenhar sua liderança por todo o tempo na empresa que criou. Totalmente justo. Mas a expansão sólida de uma organização dependerá sempre de um sistema, de processos, e mais que tudo, de um time capaz, motivado, alinhado e comprometido.

Se o empreendedor não é super-herói, mutante ou alienígena, não estará em todos os lugares ao mesmo tempo, não absorverá conhecimentos importantes em tantas áreas diferentes (finanças, planejamento, logística, comércio exterior, tributos, serviços etc.), não conseguirá garantir pessoalmente a execução perfeita de cada atividade nem acompanhará o ritmo avassalador das mudanças.

O jeito é contratar os melhores funcionários. Trate-os com respeito e invista para que se desenvolvam em habilidades técnicas e comportamentais. Abra espaço para a criatividade e iniciativa dos colaboradores. Crie um ambiente de confiança e transparência. E claro, reconheça e valorize os talentos que lutam com suas “lanças e cavalos” como se fossem eles próprios donos do negócio.

DELEGAR AUTONOMIA E COMPARTILHAR ESPAÇO CONSTRÓI UMA LIDERANÇA MAIS PODEROSA.

Melhor do que encarnar um único super-herói limitado para enfrentar os desafios do nosso ecossistema de negócios, é entrar na pele do diretor da organização S.H.I.E.L.D. e contar com um time imbatível de agentes intraempreendedores trabalhando juntos. Cada um com seu talento especial, sua especialidade complementar, sua personalidade diversa, atuando em parceria colaborativa para alcançar os objetivos da empresa. Uma organização com time afinado e preparado sempre dar de goleada na empresa do empreendedor solitário!

Leia mais em Endeavor @ https://endeavor.org.br/empreendedor-nao-e-super-heroi-para-lutar-sozinho-forme-uma-liga-de-primeira/

Related Posts


Depois da tempestade, como resgatar a energia e a motivação do time?

Por incrível que pareça, passou o pior a tempestade. O mar ainda está agitado, ainda pode ser que chova um pouco, o perigo não passou por completo, mas o cenário está estável e, se chegamos até aqui, não tem nenhum motivo para não avançarmos com mais força a partir deste momento. E agora? Durante a […]

17.04.2017

A partir de um sonho, a realização de uma franquia de sucesso !

A partir de um sonho, a realização de uma franquia de sucesso A marca “Dog King” surgiu em Cambé no ano de 2011 com uma operação de lanches de rápido preparo e com uma grande aderência com o consumidor da cidade. A partir daí, o criador da marca visualizou uma oportunidade de expandir seu negócio […]

13.04.2017

Resolução de Problemas: como treinar um time orientado a soluções!

Por onde você começa a resolver um problema complexo? Descubra como funciona o treinamento de Resolução de Problemas aplicado aos funcionários do GuiaBolso — e como ele aumentou a autonomia do time. Em uma empresa de alto crescimento, as chamadas scale-ups, o relógio corre na velocidade dos cachorros: uma hora vale por duas, um mês […]

13.03.2017

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *